Google+ Followers

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

APRENDENDO A CUIDAR DAS PLANTAS

A atividade foi realizada na sala da Educação Infantil, Pré IIA
Essa atividade foi proposta pela Apostila Infantil 5, onde as crianças puderam observar e acompanhar o desenvolvimento das plantas.
Primeiramente foi realizada a experiência com grãos de feijão e depois com  a semente de uma flor chamada Beijinho, cada criança trouxe sua garrafa pet para confecção dos vasinhos, pensando assim sobre reciclagem e o cuidado com o Meio Ambiente.
A crianças participaram com muito interesse e empolgação, no final todos puderam levar sua plantinha para casa, algumas com flores.














terça-feira, 25 de novembro de 2014

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante

Escola: EM. Prefeito Sírio Borges
Professor (as): Simone Dornelles Staine e Florência Celestrino
Professora Mediadora: Denilda Mata
Professora da STE: Cristiene Alves dos Santos
Turma (s): 1º Ano “A”
Turno (s): Vespertino
Total de alunos: 28
Coordenação Pedagógica: Florência Celestrino
Direção: Margarida Ferreira

Título: Matemática na salada de frutas
Objetivo Geral: Desenvolver o raciocínio lógico operacional de maneira que o aluno possa resolver situações do seu cotidiano com auto confiança e autonomia, proporcionando-lhe aprender com diversão e entretenimento.
Objetivos Específicos:
- Cantar a música “Salada mista”, da Xuxa.
- Trabalhar limites para viver em grupo, estimulando a interação e a socialização.
- Realizar diferentes tipos de contagem nos variados contextos (brincadeiras e jogos) representada simbolicamente.
- Manusear as frutas naturais estabelecendo relações com a forma que apresenta.
- Realizar a contagem das frutas (naturais, em EVA e desenhos) representando simbolicamente.
- Representar quantidades numericamente.
- Sequenciar numericamente.
- Relacionar quantidades ao numeral.
- Utilizar o cálculo mental na resolução de problemas envolvendo unidade 9 (na oralidade).
- Resolver situações-problemas envolvendo adição, subtração, multiplicação e noção de divisão com repartição em partes iguais de 0 a 10 com ilustração.
- Interpretar o valor posicional de cada uma das ordens através do quadro valor de lugar (QVL).
- Observar listas e tabelas a partir de dados coletados.
Conteúdos:
Sistema de numeração decimal. Números de 1 a 30.
Noção de multiplicação com ilustração e registro.
Noção de divisão com repartição em partes iguais de 0 a 10.
Situações-problemas envolvendo adição, subtração, multiplicação e as ideias de divisão.
Comparação de tamanhos, formas, cores e espessuras.
Relação entre unidade e dezenas (agrupamento na base 10).
Interpretação de lista e tabela simples a partir de dados coletados.
Metodologia: Apresentação do tema “Matemática na  salada de fruta” aos alunos, através de conversa informal, explicando a importância dos números em nossa vida. Algumas atividades serão realizadas em grupos, além da realização de outras atividades lúdicas como jogo de memória e utilização de Sala de Tecnologia Educacional (STE). Assim, promovendo situação onde o aluno possa realizar trocas afetivas e intelectuais com seus colegas. Trabalha-se com cartazes em EVA, ilustrações e exposição de tabela. E também um destaque para as atividades que envolvem cálculos mentais, desafios matemáticos, lógica e possibilidades.
Situação inicial: elaboração do bilhete aos pais para trazer de casa a fruta que dispõe: abacaxi, banana, laranja, maçã, manga, mamão (frutas da temporada e apreciadas pelos alunos).
No dia marcado para trazer as frutas, computar na lousa, transpor para o cartaz as frutas em EVA de acordo com as quantidades que trouxeram, observando nas frutas naturais sua forma, cor e espessura.
Segundo momento: realização da salada de frutas e degustação.
Terceiro momento: provocando o raciocínio lógico – preparação para a estruturação do texto da situação-problema.
Quantas bananas nós colocamos? Quantas laranjas? Quantas maçãs? A partir destes dados, provocar o cálculo mental sobre questões relevantes, usando os dados anotados na lousa, como por exemplo: para fazer a salada de frutas usamos somente as frutas básicas: 32 bananas, 20 laranjas, 25 maçãs e 1 manga. Separar as frutas por espécie: as que tem mais polpa; as que tem mais caldo  (anotar na lousa). Havia mais frutas com polpa ou com caldo? Noções de quantidade. Todos comeram?
Elaboração da tabela: “Pesquisa de preferência de frutas”, destacando todas as frutas. Cada aluno vai até a tabela e cola a fruta que mais gosta. Depois questiona-se as quantidades. A tabela é construída com os alunos (observação, construção e registro).
Situações-problemas envolvendo adição, subtração, ideias de multiplicação e divisão.
Atividades com jogos na STE – jogo da memória com frutas.
Conhecendo forma geométrica da laranja, ilustração de outras frutas que tem a mesma forma.
Trabalhar dezena (troca 10 unidades por uma dezena), quadro valor de lugar.
Jogo da troca: reúnem-se grupos com mais de dois colegas, juntam as frutas e cada um na sua vez joga o dado e pega a quantidade de frutas que consegui na soma dos pontos dos dados. Toda vez que um jogar conseguir juntar 10 frutas, deverá trocá-las por uma dezena (uma ficha correspondente à  cor azul).
No encerramento, as crianças apresentarão a coreografia da música “Salada mista”, da Xuxa.
Avaliação: A avaliação será feita com um olhar atento e reflexivo sobre o desenvolvimento de cada um dos alunos, percebendo suas limitações e suas habilidades, dando ênfase ao seu crescimento  no decorrer das atividades. Também serão avaliados através de questionamento oral e registros escritos para verificação das principais dificuldades detectadas e futuras intervenções para saná-las.
Cronograma:
Data
Atividade
28/10
Entrega e leitura do bilhete aos pais para a realização da salada de frutas.
29/10
Observação das frutas naturais, comparação de tamanhos, formas, cores e espessuras. Contagem das frutas naturais e utilização do cartaz de EVA.
05/11
Construção da tabela simples juntamente com os alunos a partir de dados coletados.
06/11
Fazendo a salada de frutas. Degustação.
07/11
Situações-problemas envolvendo adição, subtração, multiplicação e divisão.
10/11
Atividades na STE. Jogo de memória frutas.
11/11
Jogo da troca. Trabalhando dezenas.
12/11
Encerramento das atividades com a coreografia da música “Salada Mista”.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Projeto: A Copa vai à escola


O futebol é um dos esportes mais praticados nos dias de hoje e considerado o mais popular. O principal evento desse esporte é a Copa do Mundo FIFA (Federação Internacional de Futebol Associado), uma competição internacional de futebol que ocorre a cada quatro anos. Esse evento retorna ao Brasil após 64 anos, pois a última copa no país foi em 1950.
A seleção do Brasil sentiu o gosto de erguer a taça pela primeira vez em 1958, na copa disputada na Suécia. Quatro anos após, em 1962, o Brasil voltou a provar o gostinho do título no Chile. As demais conquistas foram no México em 1970, nos Estados Unidos em 1994, e em 2002 na Copa do Mundo do Japão/Coreia do Sul.
Esse momento pelo qual o Brasil passa por ser sede do Mundial faz com que muitas informações cheguem até as crianças e jovens,e esse grande acontecimento contribui para possibilidade de reflexão, discussão e aprendizagem.

A escola sendo um espaço de aprendizagem e construção do conhecimento não poderia deixar de abordar e desenvolver atividades relativas a este acontecimento mundial, e também participar da iniciativa da Secretaria Municipal na proposição de desenvolver o Projeto – A copa vai à escola.
As atividades foram desenvolvidas através de pesquisas, debates e confecção de trabalhos que levem à reflexão dos acontecimentos sociais conhecendo e valorizando as diversas culturas, através de um trabalho coletivo e interdisciplinar.


terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante - 3º Ano



Secretaria Municipal de Educação

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante
Escola Municipal Prefeito Sírio Borges
Professor (es):Cilene Paes de Barros, Neusa Cancian, Valdete Lourdes Nardino Testa
Professor (es) STE: Cristiene Alves dos Santos e Fernanda Maciel B. Ribeiro
Turma (s): 3º ano A e B
Turno (s): Matutino e Vespertino
Total de alunos: 36 alunos
Coordenação Pedagógica: Florencia Celestrino
Direção: Margarida Ferreira

Título:
OS TRÊS PORQUINHOS”


Os Três Porquinhos foi um trabalho que aconteceu em sala de aula, nas disciplinas de Lingua Portuguesa e Ciências aos alunos do 3° ano do ensino fundamental nos períodos Matutino e Vespertino dentro da proposta da Alfaberização na Idade Certa juntamente com a proposta escolar, visando dar incentivo a Leitura e Escrita, a socialização entre os alunos, diminuir os problemas com as diversidades, melhorar a oralidade e comunicação, desenvolver a compreensão e absorção dos fenômenos naturais e suas intensidades.
Essas aulas tiveram a duração de uma semana, sendo 5 (cinco) aulas de Língua Portuguesa e 2 (duas) aulas de Ciências.
Tivemos o apoio da diretora Margarina e da coordenadora Florência, que não mediram esforços para nos ajudar e acompanhar o desenvolvimentos das aulas.
No desenvolvimento das aula de Língua Portuguesa, nós professoras Neusa e Cilene, demos o inicio com a música da história dos 3 Porquinhos e a confecção das mascaras com papel pardo e lápis de cor. Foi uma animação para os alunos, a alegria contagiou a todos.Para um inicio foi perfeita socialização.No outro dia fizemos uma sessão de filmes com desenhos animados de várias versões.Aconteceu na sala de tecnologia, que assistira observando e comparando diferenças e semelhanças em cada desenho.
Nesse mesmo dia a professora Valdete na disciplina de Ciências, trabalhou com os alunos, os fenomenos naturais. Na observaçõs dos desenhos assistido foram instigado o conhecimento do fenômeno“vento”que destacou na históriaFizeram uma ilustração com desenho para representar a situação.
Em outras aulas as professoras de L. Portuguesa trabalharam com jogos, dentre eles se destacou o Jogo de Pergunta e Resposta onde,foi usado uma trilha como caminho do lobo no final montagem do quebra cabeça com a casa dos Porquinho,foi usado a marcação com as máscaras dos porquinhos.Foram feito também outros jogos como:Jogos de Palavras, de Parlendas entre outros.Foram usado 2 (duas) aulas.Todos participaram alegremente e compreenderam melhor a escrita e leitura.A professora de Ciências deu continuidade com jogos de memória e continuaram a desenvolver o fenomenos naturais “vento na sua intensidade as atividades do sopro.
Para finalizar as professoras de Língua Portuguesa fizeram Leitura individual e coletiva do texto 3 Porquinhos e a interpretação oral.Cada aluno teve a oportunidade de contar uma historia com as caracteristicas do texto lido.
Fizemos a avaliação continua com acompanhamento nas atividades de forma que todos participaram ativamente.
3º Ano "A"

3º Ano "B"


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante - 2º ANO


Secretaria Municipal de Educação

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante
Escola: Municipal Prefeito Sírio Borges
Professor (es): Alba dos Santos Leite, Belisaria Aparecida do Carmo Sampaio Leoni e Dilma de Oliveira Persi.
Turma (s): 2° Ano “A” e “B”
Turno (s): Matutino e Vespertino
Total de alunos: 42
Coordenação Pedagógica: Adriana Joris e Rejane Eurides
Direção: Margarida Ferreira
Professoras da STE: Cristiene Alves dos Santos e Fernanda Maciel Batista Ribeiro

Título: Asas de todas as cores.

Aproveitando o projeto trabalhado na escola neste segundo semestre com o tema “Gêneros Textuais no cotidiano” que tem como objetivo sanar os diversos problemas encontrados na leitura e escrita dos alunos, buscando desenvolver o gosto pela leitura, compreensão e escrita de diversos tipos de texto que fazem parte do cotidiano do aluno e principalmente resgatar seu valor como cidadão.
Para trabalharmos o texto da apostila do Sefe “Asas de todas as cores”, será utilizado 10 horas/aula evidenciando que na natureza podemos encontrar borboletas de várias cores e formatos. Desta forma será trabalhado de forma interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, História Geografia e Artes. Na Língua Portuguesa além do texto informativo da apostila do Sefe (p.32) foi trabalhada a poesia, “As borboletas” do poeta Vinícius de Moraes, onde foram disponibilizadas cópias do poema para a realização da leitura e interpretação, explorando a palavra borboleta trabalhando com acróstico e texto fatiado.
Para complementar o trabalho a professora de Ciências trabalhou com a história: “O nascimento da borboletinha”, logo após foi pedido aos alunos que desenhassem o nascimento da borboletinha, como recurso para organização sistemática e socialização dos conhecimentos adquiridos, após as realizações das atividades os alunos assistiram um documentário sobre a metamorfose das borboletas e fizeram um passeio no pátio da escola para encontrarem um casulo. Esta atividade proporcionou um estudo da linha do tempo de desenvolvimento da borboleta e a comprovação daquilo que se estudou. Cada espécie de borboleta ou mariposa tem um ciclo próprio, geralmente são semanas.
Na disciplina de Arte foi trabalhada uma oficina de construção de borboletas com recortes e colagens, de todas as cores para montar um cartaz que foi exposto em sala de aula.
Após os alunos terminarem as atividades, o professor retoma o cartaz produzido e traz a explicação referente a cada momento explorando cruzadinhas, caça palavras, construção de novas palavras a partir de letras ou sílabas de palavras contextualizadas.
Na disciplina de Matemática foram trabalhados os números pares e ímpares, na contagem, quantos olhos têm a borboleta, quantas asas, quantas são amarelinhas entre outros.
Para finalizar um dos alunos fez a declamação e os demais dramatizaram. No decorrer das aulas os alunos mostraram bastante entusiasmo com o desenvolver das atividades propostas proporcionando uma aprendizagem de forma relevante.
                                                  2° Ano “A”
                                                   
                                                                    2° Ano “B”



sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante

Secretaria Municipal de Educação

Seminário final do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa de Rio Brilhante
Escola: Municipal Prefeito Sírio Borges
Professor (es): Joleandra Ferreira Silva e Simone Dornelles Staine
Turma (s): 1° Ano “A” e “B”
Turno (s): Matutino e Vespertino
Total de alunos: 34
Coordenação Pedagógica: Adriana Joris
Direção: Margarida Ferreira 
 
Professor (es) STE: Cristiene Alves dos Santos e Fernanda Maciel Batista Ribeiro

POEMA: A VACA MIMOSA


Para trabalhar com o poema A Vaca Mimosa com as crianças ressaltou a importância de desenvolver o gosto pela leitura e escrita levando os educandos a conhecer a utilidade do animal, identificar seu habitat, qual alimento produz, sua utilidade e seus derivados. Para a transmissão do conhecimento e explanação do assunto levou-se 6 horas/aula no decorrer de uma semana no mês de outubro de forma expositiva com a confecção de cartaz para leitura, conversa informal sobre o animal, interpretação do texto, auto ditado, cruzadinha, separação de sílabas, frases, alfabeto móvel, aula passeio e filme.
No primeiro momento iniciamos a apresentação do texto “A Vaca Mimosa” junto com os alunos fizemos a leitura coletiva e individual onde os alunos já tinham conhecimento prévio do animal, destacamos no texto algumas palavras para ser comentada sobre elas e seu significado.
Trabalhamos no livro do Pacto Porta Aberta Letramento e Alfabetização as atividades das páginas 134 à 136 e 138 e 139.
Em seguida trabalhamos na folha cruzadinha e o texto fatiado em anexo.
Mandamos o texto como tarefa para eles fazerem a leitura junto com a família e individual e destacar as palavras conhecidas do texto.
Na sala de aula questionamos sobre a leitura feita em casa como foi, qual as palavras conhecidas no texto. Depois foi realizado o ditado e logo em seguida fizeram o desenho da vaca mimosa.
No dia seguinte levamos os alunos na chácara próxima à escola para eles conhecerem o habitat da vaca, a dona da chácara levou os alunos para o mangueiro e explicou como era feito o manuseio da retirada do leite e do que ela se alimenta, feita a explanação os alunos conheceram melhor o animal.
Os alunos ficaram encantados com o passeio, alguns alunos já tinham contato com estes animais outros não.
Os alunos assistiram no data show o filme “ Nem que a Vaca Tussa”, onde os alunos comentaram que os animais da Fazendo Pedaço do Céu estão em pânico por conta de uma ação de despejo que ameaçava deixa-los sem outra opção a não ser ir para o matadouro para escapar do trágico destino. Os bichos decidem que precisam encontrar um meio de obter o dinheiro necessário para pagar a hipoteca da fazenda. Então, eles descobrem que esta sendo oferecida uma recompensa para quem capturar o bandido Alomeda Slim e iniciam a busca ao criminoso Nem que a Vaca Tussa.
No desenvolver das atividades os alunos mostraram interesse, participação, obtiveram uma aprendizagem significativa, desta forma os objetivos foram alcançados pelas turmas.
 

1° Ano “A” 


1° Ano “B”


 


PROJETO - ASAS DE TODAS AS CORES


ESCOLA MUNICIPAL PREFEITO SIRIO BORGES



Alba dos Santos Leite, Belisaria Aparecida do Carmo Sampaio Leoni e Dilma de Oliveira Persi.


ASAS DE TODAS AS CORES


Projeto apresentado á Escola Municipal do Estado de Mato Grosso do Sul, Rio Brilhante na disciplina de ciências,português,matemática,geografia e história.







RIO BRILHANTE MS
DEZEMBRO DE 2013

INTRODUÇÃO
Esse projeto surgiu diante da curiosidade das crianças em saber como nascem as borboletas e como uma lagarta tão feia se transforma em um bicho tão bonito de cores tão belas, aproveitando o interesse dos alunos com o assunto levantamos questionamentos sobre tudo que as crianças conhecem e o assunto e percebemos que algo que mais chamou a atenção da turma foi "borboletas". Então montamos uma seqüência de atividades para as crianças aprenderem mais sobre as borboletas e suas cores. Para enfeitarmos o mural da sala, recortamos borboletas de várias cores, com pratos descartáveis com macarrão simbolizando a lagarta, com as fases do processo de metamorfose.
Trabalhamos também com a poesia "As Borboletas" de Vinícius de Moraes e com o texto da apostila do Sefe “Asas de todas as cores”, depois como falamos em borboletas, muitas curiosidades foram surgindo para esclarecer melhor contamos histórias e vídeos que falavam deste assunto. Conversamos com alunos sobre o que eles conhecem sobre a borboleta, se ela voa, quais são suas cores, por onde ela anda etc.
Para dar ênfase foi realizada uma roda de histórias com o livro  A reprodução da borboleta do acervo do pacto nacional pela alfabetização na idade certa assim, as crianças tiveram um conhecimento inicial de como ocorre o processo de metamorfose. Com o desenvolvimento do projeto muitas duvidas foram esclarecidas., onde podemos observar um casulo, e todo o processo de metamorfose da borboleta .Montamos um teatro sobre o 'Nascimento da borboleta', onde as crianças dramatizaram todo o ciclo (ovo, lagarta, casulo e borboleta) onde as crianças se aprenderam sobre o processo se divertindo. Eles também conheceram de perto um casulo original, como ele abriga a lagarta para a transformação e observaram todo o processo da metamorfose
OBJETIVO GERAL:
Criar condições para que os alunos venham conhecer como acontece o ciclo de vida das borboletas e sua importância para o meio ambiente.
OBJETIVOS ESPECIFICOS:
  • Conhecer o processo da metamorfose;
  • Coletar dados referente a reprodução das borboletas;
  • Trabalhar dados matemáticos em atividades variadas;
  • Desenvolver habilidades de ler e interpretar diferentes tipos de textos;
  • Realizar trabalhos em grupos;
  • Observar todo processo da metamorfose.
JUSTIFICATIVA
O trabalho com projetos possibilita a interação da temática principal com as diversas áreas do conhecimento, fazendo com que a aprendizagem ocorra de forma contextualizada e significativa. A criança, em suas relações com o ambiente que a cerca, concebe a natureza a seu modo. Porém, à medida em que ela cresce e se depara com fenômenos, fatos e objetos novos, ocorrem mudanças fundamentais na sua maneira de ver o mundo.
METODOLOGIA
Para trabalharmos o texto da apostila do Sefe “Asas de todas as cores”, foi evidenciado que na natureza podemos encontrar borboletas de várias cores e formatos. Desta forma foi trabalhado de forma interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, História Geografia e Artes. Na Língua Portuguesa além do texto informativo da apostila do Sefe (p.32) foi trabalhada a poesia, “As borboletas” do poeta Vinícius de Moraes, onde foram disponibilizadas cópias do poema para a realização da leitura e interpretação, explorando a palavra borboleta trabalhando com acróstico e texto fatiado.
Para complementar o trabalho a professora de Ciências trabalhou com a história: “O nascimento da borboletinha”, logo após foi pedido aos alunos que desenhassem o nascimento da borboletinha, como recurso para organização sistemática e socialização dos conhecimentos adquiridos, após as realizações das atividades os alunos assistiram um documentário sobre a metamorfose das borboletas e fizeram um passeio no pátio da escola para encontrarem um casulo. Esta atividade proporcionou um estudo da linha do tempo de desenvolvimento da borboleta e a comprovação daquilo que se estudou. Cada espécie de borboleta ou mariposa tem um ciclo próprio, geralmente são semanas.
Na disciplina de Arte foi trabalhada uma oficina de construção de borboletas com recortes e colagens, de todas as cores para montar um cartaz que foi exposto em sala de aula.
Após os alunos terminarem as atividades, o professor retomou o cartaz produzido e trouxe a explicação referente a cada momento explorando cruzadinhas, caça palavras, construção de novas palavras a partir de letras ou sílabas de palavras contextualizadas.
Na disciplina de Matemática foram trabalhados os números pares e ímpares, na contagem, quantos olhos têm a borboleta, quantas asas, quantas são amarelinhas entre outros.
Para finalizar um dos alunos fez a declamação e os demais dramatizaram. No decorrer das aulas os alunos mostraram bastante entusiasmo com o desenvolver das atividades propostas proporcionando uma aprendizagem de forma relevante.

CONCLUSÃO
Podemos concluir que a experiência vivenciada pelos alunos trouxe um aprendizado significativo e prazeroso para alunos e professores.
                                                                             2º A



PROJETO - SALA LIMPA


ESCOLA MUNICIPAL PREFEITO SIRIO BORGES







ALBA DOS SANTOS LEITE





SALA LIMPA



Projeto apresentado á Escola Municipal do Estado de Mato Grosso do Sul, Rio Brilhante na disciplina de Ciências.
Coordenadora: Rejane Eurides Sichinel Silva.













RIO BRILHANTE MS
JUNHO DE 2013



Introdução
Reconhecendo a importância da higiene para a vida de todos os seres vivos, foi escolhido este tema visando sensibilizar e conscientizar o aluno, sobre a preservação e conservação do ambiente escolar, visto que passamos grande parte de nossas vidas inseridos nesse contexto.
Ao observar todo cotidiano escolar vemos as seguintes questões: o lixo encontrado na sala de aula, no pátio da escola, alunos jogando bolinha de papel um no outro. Essa mesma bolinha é jogada pra lá e pra cá até ser esquecida no chão, com isso podemos levantar questionamentos sobre o lixo produzido. É papel de bala, aparas de lápis, paredes e carteiras riscadas, entre outros. Sendo assim, é nítida a necessidade de resgatar valores como o respeito ao espaço do outro e inserir novas práticas através das mudanças de atitudes.
De acordo com Saviani, o professor tem papel mediador no processo ensino-aprendizagem, o que contribui de forma significativa para a formação de cidadãos conscientes, plenos e integrais, pois busca por meio de recursos diferenciados a aprendizagem do educando, sendo este preparado para modificá-la.
Através de atividades que incentivem a mudança de atitude, que proporcionará ao aluno a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos. Poderá estabelecer na prática educativa, não só uma relação entre aprender conhecimentos teoricamente sistematizados, como também questões da vida real e da sua transformação (MEC/SEF, 1997 e 1998).
Essencialmente, é o que nos coloca Fontana e Cruz (1997, p. 110) ao afirmarem que “deixa-se de esperar das crianças a postura de ouvinte valorizando-se sua ação e sua expressão.
Assim, o que o professor faz é direcionar caminhos que estimulem as crianças a desenvolver as atividades por si mesmas, através de intervenções que promovam as mudanças de comportamentos.
Através da ação pedagógica é possível formar sujeitos pensantes e ativos que buscam a melhoria do contexto social ao qual está inserido.
Entre a teoria e a atividade prática transformadora se insere um trabalho árduo e diário que envolve o resgate de educação e de consciências, na organização dos métodos de ação, visando ações permanentes.
Objetivo geral
O projeto visa despertar nos alunos a importância de manter uma escola limpa, fazendo com que todos reflitam e sejam disseminadores da idéia para melhorar nossas condições de vida.
Objetivos específicos
Aprender a preservar o ambiente escolar, desenvolver o trabalho em equipe e cooperativo;
Desenvolver atitudes por um ambiente limpo e sadio.
Incentivar os alunos a manter e conservar a sala e a escola limpa
Valorizar o trabalho em grupo,
Organizar e registrar informações obtidas por meio de painéis que ficarão expostos na sala de aula e no pátio da escola.
Justificativa
A limpeza é muito importante para as nossas vidas, pois a escola é o lugar em que convivemos quase todos os dias, daí a necessidade de resgatar hábitos e valores de preservação do meio ambiente social em que vivemos. O aluno precisa compreender que a higiene é imprescindível para o bem estar de todos, e que é preciso que haja colaboração e cooperação de todos que convivem no ambiente escolar. Manter a sala limpa, o material organizado, é aprender a viver de maneira organizada e agradável sendo de suma importância à reconstrução do conhecimento através de mudanças de atitudes.

Metodologia



Nomear um aluno de cada turma para ser monitor, com a função de ajudar os colegas a manter a sala limpa e organizada. Será colocado em cada sala um painel para as anotações diárias da limpeza da mesma, também será feito registro em maquina digital, o professor responsável fará um registro mensal do desempenho de cada turma, classificado como ótimo, bom e regular. A sala que obtiver um melhor desempenho ganhará um prêmio simbólico, como cinema na escola se deliciando com pipoca e refrigerante.

AVALIAÇÃO

Após o período de observação e pontuação, será feito um painel com o resultado final de acordo com o grau de limpeza e organização de cada turma, evidenciando a campeã.





REFERÊNCIAS


FONTANA, R. e CRUZ, N. Psicologia e trabalho pedagógico. 1. ed. São Paulo: Atual, 1997.


SAVIANI, D. Escola e Democracia. 36. ed. Campinas: Autores Associados, 2003




quinta-feira, 14 de novembro de 2013

PROJETO: GÊNERO TEXTUAL DO COTIDIANO


ESCOLA MUNICIPAL PREFEITO SÍRIO BORGES

PROJETO: GÊNERO TEXTUAL DO COTIDIANO

DIRETORA: MARGARIDA FERREIRA
COORDENADORAS:
ADRIANA JORIS
LURDES DE FÁTIMA VIANA PRESTES


PROFESSORAS:
ANDREIA BEZERRA NASCIMENTO
BELISARIA APARECIDA DO CARMO SAMPAIO
DILMA DE OLIVEIRA PERSI
JOLEANDRA FERREIRA SILVA
MARILUCIA QUALLIO MARTINS
SIMONE CRISTINA POSSATO
SIMONE DORNELLES STAINE


PROJETO: GÊNERO TEXTUAL DO COTIDIANO
Projeto desenvolvido com os alunos 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental, no período matutino e vespertino nos meses de maio a novembro.

Rio Brilhante – MS
Maio A Novembro -2013

SUMÁRIO


1-Justificativa ...........................................................................................................................05
2-Objetivos .............................................................................................................................10
2.1-Objetivo Geral...................................................................................................................10
2.2-Objetivos Especificos.........................................................................................................10
3-Metodologia .........................................................................................................................11
3.1-Metodologia da Coordenadora Adriana..............................................................................11
3.2-Metodologia da Coordenadora Lurdes...............................................................................11
3.3-Metodologia da professora Joleandra do 1° Ano “A”.........................................................12
3.4-Metodologia da professora Belisaria do 2° Ano “A”...........................................................12
3.5-Metodologia da professora Simone Dornelles do 1° Ano “B”..............................................12
3.6-Metodologia da professora Dilma do 2° Ano “B”................................................................12
3.7-Metodologia da professora Andreia do 6° Ano “A” e “B”...................................................13
3.8-Metodologia da professora Marilucia do 7° Ano “A”..........................................................13
3.9- Metodologia da professora Marilucia do 9° Ano “A”.........................................................14
3.10-Metodologia da professora Simone do 6° Ano “C” e 7° Ano “B”......................................14
4-Recursos...............................................................................................................................16
5-Cronograma..........................................................................................................................17
5.1-Cronograma da Coordenadora Adriana..............................................................................17
5.2-Cronograma da Coordenadora Lurdes...............................................................................18
5.3-Cronograma da professora Joleandra do 1° Ano “A”.........................................................19
5.4-Cronograma da professora Belisaria do 2° Ano “A”...........................................................21
5.5-Cronograma da professora Simone Dornelles do 1° Ano “B”.............................................22
5.6-Cronograma da professora Dilma do 2° Ano “B”...............................................................23
5.7-Cronograma da professora Andreia do 6° Ano “A” e “B”..................................................24
5.8-Cronograma da professora Marilucia do 7° Ano “A”.........................................................25
5.9- Cronograma da professora Marilucia do 9° Ano “A”........................................................26
5.10-Cronograma da professora Simone Possato do 6° Ano “C” ............................................27
5.11-Cronograma da professora Simone Possato do 7° Ano “B”.............................................28
6-Avaliação.............................................................................................................................30
6.1-Avaliação da Coordenadora Adriana.................................................................................30
6.2-Avaliação da Coordenadora Lurdes...................................................................................30
6.3-Avaliação da professora Joleandra do 1° Ano “A”.............................................................30
6.4-Avaliação da professora Belisaria do 2° Ano “A”...............................................................30
6.5-Avaliação da professora Simone Dornelles do 1° Ano “B”..................................................31
6.6-Avaliação da professora Dilma do 2° Ano “B”....................................................................31
6.7-Avaliação da professora Andreia do 6° Ano “A” e “B”.......................................................31
6.8-Avaliação da professora Marilucia do 7° Ano “A” e 9° Ano “A”.........................................31
6.9- Avaliação da professora Simone Possato do 6° Ano “C” e 7° Ano “B”..............................31
Bibliografia ............................................................................................................................. 33
Anexos.....................................................................................................................................34
.

1-Justificativa

A Escola Municipal Prefeito Sírio Borges, situa-se à Rua Juviano Medeiros, número 1.100, área central da cidade, atendendo alunos da Educação Infantil com o pré I e II, no Ensino Fundamental com as séries iniciais de 1º a 5º Ano e séries finais de 6º ao 9º Ano, somando 453 alunos matriculados regularmente, no período matutino e vespertino.
Segundo dados obtidos no censo escolar, a escola possui grande número de alunos da área rural, oriundos de fazendas, chácaras, assentamentos e acampamentos, alunos da zona urbana de bairros afastados e área central.
De acordo com o Projeto Político Pedagógico da Escola, a escola tem como missão assegurar um ensino de qualidade, formando cidadãos críticos, solidários, preparados para os desafios do futuro e do mundo globalizado, objetivando promover, melhorar e fortalecer a integração e o relacionamento entre escola e comunidade, além de resgatar valores humanos.
A Rede Municipal de Ensino adotou a tendência pedagógica Histórico-Crítica de Dermeval Saviani que apresenta a escola como o local que deve servir aos interesses populares garantindo a todos um bom ensino e saberes básicos que se reflitam na vida dos alunos preparando-os para a vida adulta.
O ensino na concepção de Saviani significa produzir o saber, fazer com que aqueles que fazem parte do processo consigam absorver os conteúdos e transformar o meio onde vivem em um local com igualdade de oportunidades.
Através da interação do professor e da participação ativa do aluno a escola deve possibilitar a aquisição de conteúdos – trabalhar a realidade do aluno em sala de aula, para que ele tenha discernimento e poder de analisar sua realidade de uma maneira crítica -, e a socialização do educando para que tenha uma participação organizada na democratização da sociedade, para Saviani a escola é valorizada como instrumento de apropriação do saber e pode contribuir para eliminar a seletividade e exclusão social, e é este fator que deve ser levado em consideração, a fim de erradicar as gritantes disparidades de níveis escolares, evasão escolar e marginalização.
É com este objetivo e visando tentar sanar os diversos problemas encontrados na leitura e escrita dos alunos no início deste ano letivo, que será desenvolvido o Projeto “Os Gêneros Textuais do Cotidiano”, que buscará desenvolver no aluno o gosto pela leitura, compreensão e escrita de diversos tipos de textos que fazem parte do seu dia a dia, como também, resgatar seu valor como cidadão capaz de modificar, com suas ações, o meio em que vive.
Os gêneros textuais são meios utilizados para a efetivação da comunicação verbal e seu trabalho deve propiciar a participação do indivíduo na construção de sentido do texto.
O ensino de Língua Portuguesa tem como objetivo ampliar as possibilidades do uso da linguagem e é por isso que as escolas devem trabalhar com textos que fazem parte da realidade do cotidiano dos educandos. É de suma importância a escola trabalhar com estratégias de produção de gêneros que circulem na comunidade discursiva, preparando assim
o aluno para atuar efetivamente na realidade em que vive.
Muitos estudantes possuem dificuldades para escrever um texto, porém expressar-se oralmente é algo que acontece de forma natural. Em sala de aula, a linguagem deve ser trabalhada de forma a conhecer seus significados culturais e sociais, dando sentido e não apenas ensinar palavras. Muitos professores não trabalham o texto dentro de uma concepção
sócio-interacionista de linguagem centrada na interlocução.
Quando se entende que a principal função do texto é a interlocução, a abordagem textual deve reconhecer as diversidades existentes em tipos de textos, as características que os formam e o contexto em que eles são usados [...] (CALDAS, p.2).
Entendendo-se que o texto tem como função principal a interlocução, é necessária uma abordagem textual que reconheça as diversidades existentes em tipos de textos, suas características e em que contexto eles são utilizados.
Os gêneros textuais ganharam maior atenção quando os PCNs de Língua Portuguesa
ressaltaram sua importância.
É papel do professor deve apresentar e trabalhar com os alunos os tipos e os gêneros textuais que fazem parte do cotidiano. É fundamental que os estudantes compreendam que texto não são somente aquelas composições escritas tradicionais com a qual se trabalha na escola – descrição, narração e dissertação – mas sim que o texto é produzido diariamente em todos os momentos em que nos comunicamos, tanto na forma escrita como na oral. (CALDAS, p.3)
É de suma importância o professor trabalhar os diversos tipos e gêneros que fazem parte do cotidiano, para que os alunos possam compreender que o texto é construído diariamente nos momentos de comunicação tanto escrito quanto oralmente, e não apenas as formas com a qual a escola vem trabalhando – descrição, narração e dissertação.
Para MARCUSCHI (2002:25), um gênero pode possuir dois ou mais tipos textuais. Trabalhar a diversidade de textos aproxima o aluno aos textos ligados ao cotidiano, proporcionando condições para que ele compreenda a função dos gêneros textuais, facilitando
o domínio sobre eles contribuindo para a prática de leitura e produção textual.
Os gêneros textuais são divididos em cinco grupos: Narrar, Expor, Argumentar, Instruir e Relatar.
Os textos pertencentes a um mesmo gênero possuem muitas coisas em comum, entretanto nem todos são um exemplar prototípicos desse determinado gênero.
O estudo e o trabalho com os gêneros textuais têm sido nas últimas duas décadas o centro de discussões acerca do ensino de língua materna e do desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita. Na publicação feita, em 1998, pelo MEC dos Parâmetros Curriculares Nacionais, as diretrizes para o Ensino Fundamental brasileiro trouxeram a noção de gênero enquanto instrumento de ensino-aprendizagem para o primeiro plano do debate didático.
De acordo com Bronckart, a linguagem se constitui como prática social, pois as interações humanas se materializam por meio de ações de linguagem e, discursivamente, por meio dos gêneros textuais. Essas ações, atividades de linguagem, são como uma interface entre o sujeito e o meio, bem como entre os próprios sujeitos. É por meio da linguagem que os sujeitos dizem e agem sobre o mundo.
As atividades de linguagem, de comunicação se dão em diversas situações e condições, por isso tanto os textos orais quanto os escritos se diferenciam uns dos outros. Mas como então os sujeitos conseguem, mesmo com tanta diversidade, se fazer entender e ser entendido?
Os gêneros podem ser considerados, segundo Bakhtin, instrumentos que possibilitam a comunicação por serem tipos relativamente estáveis de enunciados, com regularidades, características semelhantes, tais como, conteúdos que podem ser dizíveis por meio dele, elementos da estrutura comunicativa e semióticas partilhadas pelos textos de um mesmo gênero, posição enunciativa do enunciador, tipos discursivos, dentre outros.
Os gêneros podem ser considerados então como modelos que são conhecidos, reconhecidos e utilizados por todos, pois é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum texto.
Nesse sentido, a escola, sendo um espaço formador de sujeitos sociais, históricos e ideologicamente situados - o que se constitui na interação com o outro - tem por função oferecer condições para que esse sujeito desenvolva sua capacidade discursiva, ou seja, suas competências e habilidades para entender, escolher e/ou adaptar as possibilidades do mundo discursivo nas diversas situações de uso real da língua, oferecendo-lhe assim a chance de integrar-se na vida social de suas comunidades. Desse modo, a ela cumpre a tarefa de formar e informar quanto às possibilidades de comunicação em sociedade.
E é em contato com a diversidade de textos, com temas acessíveis, que os alunos chegarão a uma integração da linguagem oral e escrita com a realidade social, conduzindo-os a uma ação reflexiva e transformadora da sociedade.
Não há a necessidade de saber ler e escrever todos os gêneros textuais, porém é
preciso saber encontrar as informações quando necessárias. Os alunos precisam perceber a finalidade do texto, seus recursos linguísticos e o sentido desejado. É necessário, algumas vezes, que eles possam identificar, quem e para quem o texto está referindo-se, qual a situação e qual seu objetivo, percebendo a ironia ou seu humor.
É necessário que o aluno aprenda a construir seus próprios textos com o intuito de provocar no interlocutor as reações desejadas por ele (autor), tendo em mente seu público alvo
e seus objetivos. O professor precisa atuar como mediador, ajudando o aluno a perceber o propósito do texto, desvendando as escolhas do autor, efetivando dessa maneira uma situação em que a comunicação acontece realmente.
Os professores e os materiais didáticos possuem dificuldades para trabalhar a linguística de forma verdadeiramente reflexiva. As atividades e exercícios tratam questões gramaticais tais como: regência, concordância, entre outras.
No processo ensino-aprendizagem, é importante que o aluno escreva para diferentes
leitores que não seja somente o professor, tornando o ensino mais eficaz.
Reduzir o trabalho com textos às características dos gêneros textuais limita a produção. Por isso é de extrema importância que os alunos conheçam e saibam reconhecer as
estruturas prototípicas dos gêneros textuais e tenham consciência de suas flexibilidades. O ensino é mais produtivo quando os alunos exploram o trabalho linguístico utilizado no texto, as escolhas, seus efeitos de sentido, sua intenção e as possibilidades e consequências dos sentidos que permitem que o leitor construa.
Em lugar das regras e conceitos da gramática normativa, o que de fato importa é possibilitar que o aluno escreva a partir da própria experiência adquirida através da leitura e escrita. Dessa forma, possibilita a aproximação dos alunos com uma diversidade de textos e temas de modo que possam “observar”, “analisar”, “interferir” e “criticar” o que vê ao seu redor, produzindo textos que não sejam dirigidos a um único leitor, o professor, mas a todo público interessado.
Por isso, o presente projeto pretende trabalhar com os tipos textuais narrativo, descritivo e dissertativo, dentro dos diversos gêneros que serão divididos entre as turmas do 6º ao 9º ano. Nas séries iniciais, digo no 1° e 2° ano os alunos conheceram alguns gêneros textuais através da oralidade, identificação, atividades diferenciais e fichas de leitura para ser feito em casa juntamente com a família, pois segundo o sistema de ensino adotado pela rede municipal de ensino “SEFE”_ Sistema de Ensino Família e Escola, prioriza a intervenção família e escola.
O projeto será desenvolvido de maio a novembro, sob a supervisão das coordenadoras Adriana Joris e Lurdes de Fátima Viana Prestes, conta também como o apoio das professoras mediadoras e as professoras da sala de tecnologia Fernanda e Cristiane.
Os livros que embasam este projeto estarão indicados na bibliografia.

2- Objetivos


2.1-Objetivo Geral

Desenvolver em nossos alunos, a competência sócio-comunicativa utilizando os diversos gêneros textuais, relacionando-os com as diferentes situações de produção.

2.2-Objetivos Específicos

  1. Motivar a leitura e a produção de textos;
  2. Propiciar o contato com textos ligados ao cotidiano dos educandos;
  3. Ampliar o vocabulário;
  4. Conhecer as características e a estrutura dos vários gêneros textuais;
  5. Estimular a participação e interação dos alunos;
  6. Possibilitar a criatividade e a criticidade;
  7. Contribuir para o desenvolvimento de uma consciência mais apurada dos alunos, sobre o papel da linguagem na sociedade e sobre a importância da formação de leitores e escritores críticos.
  8. Permitir e mediar para que o aluno perceba que, além da organização textual, é necessário também que ele reflita sobre os conteúdos propostos, argumentando com seu próprio conhecimento e experiência de vida.
  9. Saber a função dos gêneros textuais, identificá-los no cotidiano e argumentar a partir deles ampliando o universo da produção escrita.
  10. Promover reflexões e discussões sobre o processo ensino-aprendizagem através dos gêneros textuais trabalhados.
  11. Produzir textos coerentes e coesos.

    3-Metodologia

3.1- Metodologia da Coordenadora Adriana Jóris

1.Estudo e pesquisa sobre a nova tendência pedagógica para a elaboração do projeto;
2.Organização, escrita do projeto, bem como a fundamentação teórica;
3.Divisão dos gêneros a serem trabalhados, conforme a Coleção Caminhos da SEFE- Sistema Educacional Família e Escola;
4.Apresentação do projeto aos professores do 1° e 2° Anos;
5.Separação dos textos da Coleção Caminhos e Livro Porta Aberta - PACTO para tirar cópias e plastificação para posteriormente os alunos levarem para casa;
6.Pesquisa e escrita dos benefícios da leitura na vida de cada educando segundo o MEC_ Ministério da Educação;
7. Planejamento de fichas diversas para os alunos fazerem em casa juntamente com a família;
8. Acompanhamento das atividades realizadas pelos alunos juntamente com os professores;
8. Escolha de algumas atividades e fichas juntamente com os professores;
9. Digitação e montagem do projeto.

3.2- Metodologia da Coordenadora Lurdes Viana
  1. Estudo e pesquisa sobre a nova tendência pedagógica para a elaboração do projeto;
  2. Elaboração do projeto;
  3. Divisão dos gêneros a serem trabalhados, conforme Proposta Pedagógica da escola;
  4. Apresentação do projeto aos professores de Língua Portuguesa;
  5. Entrega do projeto, em pasta a cada professora envolvida no projeto;
  6. Sugestões de atividades entregas aos professores que podem ser desenvolvidas com os alunos;
  7. Avaliação do desenvolvimento do projeto com os professores, mensalmente;
  8. Elaboração de um mural para expor os textos produzidos pelos alunos do 6º ao 9º ano;
  9. Recolhimento das atividades desenvolvidas pelos alunos para compor a pasta do projeto;
3.3- Metodologia da professora Joleandra do 1° Ano “A”

No desenvolvimento do projeto será realizadas as seguintes ações:
1. Conversa informal com os alunos sobre o projeto;
2. Leitura dos textos da Coleção Caminhos do SEFE e Porta Aberta do PACTO;
3. Leitura dos encartes da Coleção Caminhos do SEFE.
4. Registros das atividades dos gêneros textuais com desenhos, escrita, interpretação, jogos, fichas.

3.4- Metodologia da professora Belisaria do 2° Ano “A”

No decorrer das aulas foram trabalhados os gêneros textuais com as seguintes metodologias:
1.Leitura e interpretação;
2.Formação de palavras usando o alfabeto móvel para ampliação do vocabulário;
3. Ilustração;
4. Atividades diversificadas como: cruzadinha, sequencia correta, texto fatiado, números de sílabas, caça palavras, acróstico, recorte e colagem, ortografia,
5. Declamação;
6. Canto de músicas diversas;

3.5- Metodologia da professora Simone Dornelles do 1° Ano “B”

No decorrer do projeto será realizada as seguintes ações:
1. Exploração de gêneros textuais do cotidiano;
2.Questões de problematização;
3.Registros das informações através de desenhos, relatos orais e escritos, fichas, jogos, construção de painéis e murais.
4. Leitura e interpretação.

3.6- Metodologia da professora Dilma do 2° Ano “B”

No decorrer da execução do projeto trabalhou-se com as seguintes metodologias:
1. Leitura e interpretação;
2. Sequencia lógica de ideias;
3.Levantamento de hipóteses sobre os gêneros textuais;
4.Ampliação do vocabulário;
5. Desenhos;
6. Imagem;
7. Recorte e colagem;
8. Atividades diversificadas: caça-palavra, cruzadinha, rimas, mímica, ortografia, ditado, texto fatiado, fichas, jogos, encartes, produção de pequenos textos coletivos.

3.7- Metodologia da professora Andreia do 6° Ano “A” e “B”

1. Bilhete: passar a definição do bilhete na lousa e mostrar alguns exemplos e pedir para os alunos produzirem um bilhete;
2.Convite: passar a definição do convite e levar alguns convites (chá de bebê, aniversário) para os alunos conhecerem e produzirem;
3. Cartão postal: passar a estrutura do cartão postal na lousa e confeccionar no papel cartão com revistas;
4.Carta: passar a estrutura da carta pessoal, entregar sulfite para os alunos fazerem envelopes e escrever uma carta;
5. Cartaz: passar a definição do cartaz, levar fotos de professores e pedir para os alunos fazerem uma frase para colocar no cartaz em homenagem ao dia dos professores;
6. Autorretrato: passar a definição do autorretrato, levar folha sulfite e pedir para os alunos fazerem um desenho em uma parte da folha e se definirem;
7. Diário: passar a definição na lousa e pedir para os alunos escreverem o que aconteceu em suas vidas durante quatro dias, cada dia em uma folha;
8. Fábula: passar a definição, levar alguns textos para os alunos lerem e pedir para eles produzirem uma pequena história.

3.8- Metodologia da professora Marilucia do 7° Ano “A”

1.Apresentação do projeto aos alunos;
2.Conceituar texto: “Narrativo ficcional com narrador personagem e Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto”;
3.Explicar aos alunos as regras da produção do texto pertinente para o momento de estudo;
4.Pesquisa na STE sobre novos conceitos de textos “Narrativo ficcional com narrador personagem e Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto”;
5.Produzir textos: “Narrativo ficcional com narrador personagem e Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto”;
6.Auxiliar os alunos quanto aos erros, buscando diminuí-los o máximo possível;
7.Orientar os alunos tirando as dúvidas pertinentes a cada tipo textual;
8.Corrigir e reestruturar os textos.

3.8- Metodologia da professora Marilucia do 9° Ano “A”

1.Apresentação do projeto aos alunos;
2.Conceituar crônicas e dissertação;
3.Explicar aos alunos as regras da produção do texto “ Crônica e dissertação” ;
4.Pesquisa na STE sobre novos conceitos de textos “ Crônicas e dissertação”;
5.Produzir textos-crônicas e dissertativos;
6.Auxiliar os alunos quanto aos erros, buscando diminuí-los o máximo possível;
7.Orientar os alunos tirando as dúvidas pertinentes a cada tipo textual;
8.Corrigir e reestruturar os textos.

3.9- Metodologia da professora Simone do 6° “C” e 7° “B”

1.Apresentação do projeto aos alunos;
2.Produção de textos;
3.Regras da produção do texto pertinente para o momento de estudo;
4.Pesquisa na STE sobre modelos de textos;
4.Leitura de textos e interpretação;
5.Assistir filmes e fazer relatórios;
6.Interpretação de imagens;
7.Orientar os alunos tirando as dúvidas pertinentes a cada tipo textual;
8.Corrigir e reestruturar os textos;
9Leitura compartilhada;
10.Cruzadinha;
11.Cópia;
12.Ditado e produção de textos;
13.Produção de cartas, bilhetes, relatórios, etc.

4-recursos

Recursos Humanos: alunos, professores, coordenação, direção, pais de alunos.

Recursos Pedagógicos: revistas, livros, jornais, gibis, papéis diversos, cartazes, pincel atômico, cadernos, lápis de cor, lápis, borracha, caneta, flip chart, alfabeto móvel.

Recursos Tecnológicos: câmera fotográfica, televisão, aparelho de som e DVD, data show, sala de tecnologia, blog e facebook da escola.

5- CRONOGRAMA

5.1-Cronograma da Coordenadora Adriana

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Março
  • 04

  • 06
  • Estudo e pesquisa da nova tendência pedagógica;
  • Elaboração do projeto com fundamentação teórica;

Abril
  • 04

  • 06
  • Pesquisa da importância e benefícios da leitura na vida dos educandos;
  • Pesquisa e divisão dos gêneros textuais;
  • Separação dos textos e plastificação.
Maio

  • 02
  • 02

  • Reunião com direção e professores;
  • Conversa com cada professora envolvida no projeto sobre as atividades que estão sendo desenvolvidas;
Junho

  • 15

  • 02
  • Planejamento das fichas que os alunos levarão para casa para fazer juntamente com a família.
  • Conversa com cada professora envolvida no projeto sobre as atividades que estão sendo desenvolvidas;
Agosto
  • 01

  • 01

  • 01

  • Montagem da capa para ser colada nas pastas que os alunos levarão para casa;

  • Entrega das fichas para cada professora da 1° e 2° Anos e esclarecimentos do desenvolvimento e acompanhamento das mesmas;
  • Conversa com os pais na reunião de entrega de notas do 2° bimestre sobre o projeto e que a partir das próximas aulas os alunos estariam recebendo as fichas de leitura e alertando as famílias da importância deste acompanhamento em casa.
Setembro
  • 02
  • Conversa com cada professora envolvida no projeto sobre as atividades que estão sendo desenvolvidas;
Outubro e Novembro
  • 04
  • 02
  • 04
  • Digitação da metodologia, cronograma e avaliação de cada professor;
  • Recolhimento das atividades e fichas;
  • Montagem da pasta.

5.2-Cronograma da Coordenadora Lurdes

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Março
  • 04
  • 06
  • Estudo e pesquisa da nova tendência pedagógica;
  • Elaboração do projeto;

Abril
  • 06

  • 10
  • Pesquisa da estrutura dos gêneros textuais;
  • Pesquisa de atividades sobre os gêneros para ser entregue aos professores;
Maio
  • 02
  • 04
  • Reunião com os professores e direção para apresentação do projeto;
  • Acompanhamento do desenvolvimento do projeto junto aos professores;
Julho
  • 04
  • 04
  • Acompanhamento do desenvolvimento do projeto junto aos professores;
  • Escolha dos melhores textos produzidos pelos alunos;
Agosto
  • 04
  • Recolhimento dos textos produzidos pelos alunos no primeiro semestre;

Setembro
  • 04
  • 04
  • Acompanhamento do desenvolvimento do projeto junto aos professores;
  • Escolha dos melhores textos produzidos pelos alunos;

Outubro a Novembro
  • 05
  • 05
  • Recolhimento dos textos produzidos pelos alunos;
  • Organização do projeto.

5.3-Cronograma do 1° Ano “A”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Abril
  • 04
  • 02
  • 06

  • Cantiga: Cirandinha e Parabéns a você;

  • Adivinha: Nomes
  • Trava-língua: Paulo Pereira.
Maio
  • 07
  • 03
  • 06
  • Poema: Nome da gente e Sobrenome;
  • Poema/Receita poética: Receita de se olhar no espelho;
  • Crônica: Comemorar fazendo o bem e Tempo que vai.
Junho
  • 03
  • 09
  • 03
  • Biografia: Roseane Ferreira dos Santos;

  • Parlenda: O tempo perguntou pro tempo;

  • Bilhete: Solicitando informação;
Julho
  • 03
  • 02
  • Ficha: sobre o nome da criança;
  • Cartão de aniversário: cumprimentando alguém;

Agosto
  • 03
  • 01
  • 01
  • 01
  • Convite: convidando a família para assistir a exposição na escola;
  • Adivinha: O que é, o que é?
  • Música: O cravo e a rosa, marcha soldado;
  • História em quadrinhos.

Outubro a Novembro
  • 06
  • 10
  • 02
  • 01
  • 02
  • Poema: A vaca mimosa;
  • Cantiga: Onde está a margarida e A casa;
  • Conto: As joaninhas que perdeu suas pintinhas;
  • Relato: Casa em Bruxelas
  • Instrução de montagem: dobradura;
  • Imagem (texto imagético);
5.4-Cronograma do 2° Ano “A”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Maio
  • 02
  • 01
  • 01
  • Cantiga: Dia das mães;
  • Regra de jogo: Trilha;
  • Texto imagético: A princesa e o sapo: do jeito que o príncipe contou.
Junho
  • 01
  • 01
  • Adivinha: O que é, o que é?
  • Dicas e relato: dicas sobre os nomes, apelidos.
Julho
  • 01
  • 01
  • Poema: São João;
  • Convite: Festa de São João na escola;
Agosto
  • 03
  • 01
  • 01
  • 04
  • Parlenda: Hoje é domingo;
  • Trava-língua: Recitar vários;
  • Entrevista juntamente com a família sobre a leitura;
  • Ficha de leitura para casa;
Setembro
  • 04
  • 04
  • Poesia: 7 de setembro;
  • Canção: Aquarela;
  • Conto: O lobo e os sete cabritinhos;
  • Ficha de leitura para casa;
Outubro e Novembro
  • 06
  • 02
  • 02
  • 04
  • Texto informativo: A reprodução das borboletas;
  • Receita: diversas
  • Ficha de leitura para casa;


5.5-Cronograma do 1° Ano “B”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Abril
  • 04
  • 02
  • 06
  • Cantiga: Cirandinha e Parabéns a você;

  • Adivinha: Nomes
  • Trava-língua: Paulo Pereira.
Maio
  • 07
  • 03
  • 06
  • Poema: Nome da gente e Sobrenome;
  • Poema/Receita poética: Receita de se olhar no espelho;
  • Crônica: Comemorar fazendo o bem e Tempo que vai.
Junho
  • 03
  • 09
  • 03
  • Biografia: Roseane Ferreira dos Santos;

  • Parlenda: O tempo perguntou pro tempo;
  • Bilhete: Solicitando informação;
Julho
  • 03
  • 02
  • Ficha: sobre o nome da criança;
  • Cartão de aniversário: cumprimentando alguém;

Agosto
  • 03
  • 01
  • 01
  • 01
  • Convite: convidando a família para assistir a exposição na escola;
  • Adivinha: O que é, o que é?
  • Música: O cravo e a rosa, marcha soldado;
  • História em quadrinhos.

Outubro a Novembro
  • 06
  • 10
  • 02
  • 01
  • 02
  • Poema: A vaca mimosa.Cantiga: Onde está a margarida e A casa;
  • Conto: As joaninhas que perdeu suas pintinhas;
  • Relato: Casa em Bruxelas
  • Instrução de montagem: dobradura;
  • Imagem (texto imagético);

5.6-Cronograma do 2° Ano “B”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Maio
  • 04
  • 02
  • 03
  • 04
  • Cantiga: Se esta rua fosse minha;
  • Regra de jogo: pega vareta;
  • Texto imagético : Chico Bento;
  • Texto informativo: Brincadeiras;
Junho
  • 04
  • 03
  • 02
  • 04
  • Adivinha: O que é, o que é?
  • Dicas e relato: dicas de trânsito e a importância da sinalização;
  • Poema: No mundo da lua;
  • Ficha de leitura: Brincadeira;
Julho
  • 02
  • 04
  • Convite: Festa Junina;
  • Ficha: Os animais
Agosto
  • 02
  • 01
  • 04
  • Bilhete: Querido papai;
  • Entrevista juntamente com a família sobre a leitura;
  • Ficha de leitura para casa;
Setembro
  • 03
  • 07
  • 04
  • Poesia: O nome da gente;
  • Canção: Eu te amo meu Brasil e Aquarela;
  • Ficha de leitura para casa;
Outubro e Novembro
  • 01
  • 04
  • 04
  • 03
  • 04
  • Carta (trecho): Leitura
  • Conto: O atraso;
  • Texto de informação: Asas de todas as cores;
  • Receita: Bolo da mamãe.
  • Ficha de leitura para casa.
5.7-Cronograma do 6° Ano “A” e “B”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Maio
  • 01
  • 01
  • Bilhete;

  • Convite;
Setembro
  • 02
  • 01
  • 01
  • Cartão postal para os familiares;
  • Carta pessoal;
  • Autorretrato com fotos e as características pessoais de cada aluno;
Outubro
  • 01
  • 01
  • 02
  • Cartaz para o dia dos professores;
  • Diário dos alunos;
  • Fábula com tema livre

5.8-Cronograma do 7° Ano “A”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Julho
  • 01
  • 03

  • Apresentação do projeto aos alunos: Regras e forma de desenvolvimento;
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês. (Narrativo ficcional com narrador personagem).
Agosto


  • 03
  • 01
  • 01
  • Exemplos de textos na lousa e na STE. (Narrativo ficcional com narrador personagem);
  • Explicação e exemplos referentes à pontuação e desenvolvimento do texto narrativo;
  • Início das produções textuais a partir da imagem de um tênis velho.
Setembro
  • 04
  • 04
  • Continuação das produções textuais e reestruturações; (Narrativo ficcional com narrador personagem)
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês de outubro. (Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto);
Outubro




  • 03
  • 01
  • 01
  • 04
  • Ouvir e interpretara música de Almir Sater e elaborar desenhos conforme a interpretação da mesma;
  • Confecção de painel sobre o Projeto MS.
  • Retomar a conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês de outubro. (Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto);
  • Início e término das produções textuais Narrativo ficcional com as pessoas do discurso: discurso direto e discurso indireto.

Novembro
  • 02
  • 02
  • 01
  • Reestruturações dos textos (Narrativo ficcional com as pessoas do discurso:
discurso direto e discurso indireto).
  • Correções.
  • Avaliação final.

5.9-Cronograma do 9° Ano “A”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Julho
  • 01
  • 01

  • Apresentação do projeto aos alunos;
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês. (Narrativo ficcional crônica).
Agosto


  • 01
  • 02
  • 02
  • 01
  • Continuação da conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês. (Narrativo ficcional crônica);
  • Exemplos de textos no livro didático e na STE. (Narrativo ficcional crônica);
  • Mesa redonda em sala para discutirmos sobre os assuntos corriqueiros que podem dar norte a uma crônica;
  • Início das produções textuais.
Setembro
  • 02
  • 02
  • 02

  • Continuação das produções textuais;
  • Reestruturações.
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês de outubro (dissertativo);
Outubro




  • 02
  • 01
  • 04
  • Exemplos de textos no livro didático e na STE;
  • Mesa redonda em sala para discutirmos sobre os assuntos que podem nortear uma dissertação;
  • Início e término das produções textuais (em dupla).
Novembro
  • 03
  • 01
  • 01
  • Reestruturações dos textos (dissertativos);
  • Correções;
  • Avaliação final.

5.10-Cronograma do 6° Ano “C”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Maio
  • 02
  • 03
  • Apresentação do projeto aos alunos: Regras e forma de desenvolvimento;
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês. (Narrativo ficcional com narrador personagem).
Junho
  • 02
  • 02
  • 01
  • Leitorado texto narrativo (conto)
A bela adormecida” e interpretação textual.
  • Explicação sobre as regras de produção do texto narrativo;
  • Inicio das produções textuais.
Agosto
  • 01
  • 01
  • 03
  • Elaboração de texto com início indicado pelo professor ( título livre).
  • Reelaboração do texto.
  • Filme na STE para produção de uma narrativa em forma de relatório.
Setembro
  • 01
  • 01
  • 02
  • 02

  • Produção de carta.
  • Correção da carta.

  • Interpretação de texto com questões objetivas.
  • Trabalhar o texto: “ O QUARTO”.
Outubro


  • 01
  • 01
  • 02
  • 01
  • 01
  • 01
  • 01

  • Pesquisa sobre poesia na STE.

  • Produção de poesia.

  • Filme: Desafiando gigantes.

  • Relatório do filme.

  • Interpretação do hino de Mato Grosso do Sul ( Projeto sobre MS).
  • Ensaio hino do MS.
  • Apresentação das atividades sobre o Mato Grosso do Sul.
Novembro



  • 02
  • 02
  • 02
  • 02
  • Cópia e reprodução do poema “ Não há vagas”.
  • Interpretação do poema e atividades relacionada ao mesmo.
  • Filme na STE; Deu a Louca na Cinderela ( interpretação e reprodução do filme em forma de narrativa);
  • Produção e reescrita de Bilhetes e Convites de Aniversário.

5.11-Cronograma do 7° Ano “B”

MÊS DA EXECUÇÃO
QTDE. DE AULAS UTILIZADAS
AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS

Maio
  • 02
  • 02

  • Apresentação do projeto aos alunos: Regras e forma de desenvolvimento;
  • Conceituação sobre os tipos textuais a serem trabalhados no mês. (Narrativo ficcional com narrador personagem).
Junho
  • 02
  • 02
  • 01
  • 01
  • Trabalho sobre conotação e denotação;
  • Atividades sobre conotação e denotação.
  • Interpretação do texto: “O homem e a galinha”.
  • Produção de carta sobre o Dia da Água.
Agosto
  • 01
  • 01
  • 02
  • Pesquisa na STE sobre a estrutura do poema/poesia.
  • Leitura e cópia de poesias.
  • Leitura e interpretação de textos publicitários: “Os saltimbancos”.
Setembro
  • 02
  • 01
  • 02
  • 01
  • Filme na STE: “Desafiando gigantes”.
  • Produção de texto sobre a violência urbana.
  • Leitura de um livro clássico para elaborar ficha de leitura.
  • Elaboração de frases (uso de verbos no modo indicativo e subjuntivo)
Outubro


  • 01
  • 02
  • 02

  • Produção textual – narrativa fictícia com parágrafo inicial: O Tênis.
  • Pesquisa na STE sobre estruturação de texto;
  • Trabalhar o texto “Petição ao prefeito” e fazer a interpretação fazendo uso do dicionário.
Novembro


  • 01
  • 01
  • 01
  • 01
  • Leituras diversas.
  • Digitação de poesia na STE.
  • Produção e reescrita de texto.
  • Filme na STE: Deu a Louca no Chapeuzinho (interpretação e reprodução do filme em forma de narrativa)

6-Avaliação


6.1- Avaliação da Coordenadora Adriana

A avaliação será continua, gradativa, formativa e também através de observação e do desenvolvimento individual e coletivo dos professores, através da realização das atividades propostas, bem como a realização das mesmas pelos educadores juntamente com os alunos.

6.2- Avaliação da Coordenadora Lurdes

O projeto será avaliado através de:
1. Envolvimento dos professores e alunos no desenvolvimento do projeto;
2. Produção escrita dos textos elaborados pelos alunos e entregue a coordenação para a composição do projeto;
3. Desempenho dos alunos em relação à produção e apresentação dos trabalhos produzidos.

6.3- Avaliação da professora do 1° Ano “A”

Os alunos serão avaliados através do interesse e participação na leitura dos textos e nas atividades desenvolvidas em sala de aula e as fichas foram feitas em casa juntamente com a família.

6.4- Avaliação da professora do 2° Ano “A”

Avaliar individualmente e coletivamente as atividades propostas com os itens:
  • Leitura;
  • Interesse na realização das atividades;
  • Participação;
  • Fichas;
  • Declamação.
6.5- Avaliação da professora do 1° Ano “B”

Os alunos serão avaliados diariamente através de registros do desenvolvimento das habilidades e competências, da participação e do interesse dos alunos durante a execução e o desenvolvimento do projeto, será observado o interesse e pontualidade na realização das atividades propostas como a leitura, interpretação oral e escrita e as fichas feitas em casa.

6.6- Avaliação da professora do 2° Ano “B”

Os alunos serão avaliados individualmente e coletivamente através das:
  • Atividades propostas;
  • Leitura diária;
  • Fichas enviadas para casa, pela participação da criança juntamente com a família em responder as fichas de leitura.

6.7- Avaliação da professora Andreia do 6° Ano “A” e “B”
Os alunos serão avaliados diariamente através das atividades desenvolvidas, a parte escrita e a estrutura dos gêneros textuais.

6.8- Avaliação da professora Marilucia do 7° “A” e 9° “A”

A avaliação será feita durante todo o processo levando em consideração:
    1. O avanço dos alunos em relação a leitura e escrita;
    2. A participação, desempenho e o interesse dos alunos durante o desenvolvimento do projeto;
    3. O relacionamento dos alunos entre si e com a professora;
    4. Leitura e interpretação de textos poéticos;
    5. Produção de textos poéticos e também de outros textos.

6.9- Avaliação da professora Simone Possato do 6° “C” e 7° “B”

Os alunos foram avaliados bimestralmente, tanto os do 6ºC como os do 7ºB enquanto trabalhamos com o projeto, pois conforme as propostas de trabalho eram ministradas, os alunos tinham suas fichas avaliativas individuais durante cada bimestre e de acordo com o resultado de suas produções, suas notas eram marcadas junto às notas de prova e outros trabalhos bimestrais, para no final somar, dividir e fazer a média de cada bimestre.
Essa nota ajudara os alunos na recuperação das notas baixas e enriquecer seus conhecimentos. As avaliações foram feitas na STE, sala de aula e oralmente, conforme a participação nas atividades propostas e entregas de trabalhos na data certa.
Enfim, cada aluno foi avaliado por seu desempenho individual nas atividades exigidas sobre o projeto (produções, interpretações, reescritas, ditados e leituras com relatórios) e o resultado dos mesmos dependendo da aprendizagem de cada um com uma nota de zero à dez.

7-Bibliografia

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. Tradução: Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1992. P. 279-326. (Coleção Ensino Superior).

BAMBERGER, Richard, Como incentivar o hábito de leitura. 6ª ed. S. Paulo, Ed.
Ática/Unesco, 1995.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília, 1997.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de Linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado. São Paulo: Educ, 1999 [1997].

CALDAS, Lilian Kelly. Trabalhando tipos/gêneros textuais em sala de aula:
uma estratégia didática na perspectiva da mediação dialética. IBILCE/UNESP – São José
do Rio Preto. Disponível em: < http://www.alb.com.br/anais16/sem03pdf/sm03ss16_09.pdf >
Acesso em 13/03/2010

CAMINHOS: fundamentos: livro do professor/ Carmen Lucia Gabardo...(et al.); Ivan Sória Fernandez, Mauricio Loyola – 1ª ed. Ver. E atual. Curitiba: SEFE – Sistema Educacional Família e Escola, 2011.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. Editora: Parábola, 2008.

NA PONTA DO LÁPIS. Almanaque do Programa Escrevendo o Futuro. Ano III. Número 5. abr.2007.

PORTA ABERTA: Letramento e alfabetização. 1° e 2° Ano/ Isabella Pessoa de Melo Carpaneda e Angiolina Domanico Bragança – 1.ed. –São Paulo: FTD, 2011.

PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR. Língua Portuguesa. Formação de Professores. Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica.

TREVIZAN, Zizi, As malhas do texto: escola, literatura, cinema. São Paulo: Clíper Editora, 1998.

http://revistaescola.abril.com.br/lingua-estrangeira/pratica-pedagogica/como-trabalhargeneros-aulas-lingua-estrangeira-vera-cristovao-557786.shtm


DIVISÃO DOS GÊNEROS TEXTUAIS DO 6º AO 9º ANO.

6º ANO
GÊNERO TEXTUAL
PRODUÇÃO
LEITURA
*Bilhete
Contos (populares, clássicos, contemporâneos).
*Convite
Lendas
*Cartão Postal
Biografia
*Carta
Poesia
*Cartaz
Histórias em Quadrinhos
*Diário
Notícia
*Fábula
Reportagem
*Autorretrato
Resumos e relatórios

7º ANO
GÊNERO TEXTUAL
PRODUÇÃO
LEITURA
Carta (revisão)
Contos
Cartão Postal (revisão)
Romance
Bilhete (revisão)
Crônicas
Cartão (revisão)
Canção
E-mail
Paródia
Telegrama
Informativos
*Convite (revisão)
Narrativos (clássicos e contemporâneos)
*Poemas: lírico, narrativo, descritivo e cinético.
Textos publicitários (anúncio, cartaz, propaganda).
Textos narrativos ficcionais e publicitários
Textos narrativos ficcionais (contos, lendas e outros);


8º ANO
GÊNERO TEXTUAL
PRODUÇÃO
LEITURA
Textos informativos; instrucionais; epistolares (carta) e outros;
Textos informativos (resumo, relatório);
Textos poéticos; narrativos ficcionais e descritivos.

Textos instrucionais (manual, bula, regulamento, norma, guia, lista telefônica e outros);
Textos jornalísticos (notícia).
Textos epistolares e eletrônicos;
Textos dissertativos, publicitários.
Texto descritivo (imagens, fotos, pessoas, animais, ambientes);

Textos narrativos ficcionais (contos, crônicas, novelas, romances clássicos e contemporâneos, teatros e outros;

Textos jornalísticos (artigos de opinião, notícias, manchete, reportagem (lead), entrevista anúncios, charge e classificados);

Textos dissertativos (argumentativo, expositivo, objetivo e subjetivo).

Textos publicitários (propagandas, slogans e logotipo);

9º ANO
GÊNERO TEXTUAL
Textos narrativos ficcionais e dissertativos (expositivo– introdução);
Textos narrativos ficcionais (contos, crônicas e outros);
Textos narrativos ficcionais, informativos e instrucionais.
Textos poéticos (poemas: lírico, narrativo e descritivo);
Crônicas
Textos dissertativos (argumentativo, expositivo, objetivo e subjetivo);
Dissertação
Textos informativos (resumos);

Textos instrucionais (guias, receitas e bula);